terça-feira, 18 de outubro de 2016

Neurorreligação e neuroplasticidade: especulações e considerações


Palavras chave: neuroplasticidade, neurorreligação, psiquiatria, psicoterapia, neuropsicologia.

Neste artigo eu comento um pequeno trecho do livro “Psicodrama e Neurociência” (1), o qual considerei de grande importância para reflexões e também especulações sobre o meu termo Neurorreligação.

O livro foi organizado pelos cientistas Georges Salim Khouri, Edward Hug e Heloisa Junqueira Fleury e possui muitas referências à psicoterapia, psiquiatria e neuroplasticidade.

Também cito um artigo das psicólogas Maria Alice Fontes e Selma Boer, “O efeito da psicoterapia no cérebro”, (2) da Clínica Plenamente em São Paulo, SP, Brasil.

Nas páginas 24 e 25 de “Psicodrama e Neurociência” encontramos:     

  “ ...Há muitos estudos de pacientes psiquiátricos, antes e depois da terapia, baseados nos efeitos da farmacoterapia e, mais recentemente, nos efeitos da psicoterapia; há também alguns que comparam os efeitos de ambos os tipos de terapia.
   Os resultados destes estudos são muito interessantes. Todos os três tipos mostram que ambas as terapias:
  • reduzem a atividade e o volume das estruturas patologicamente ativadas (como a amígdala no PTSD); e
  • aumentam a atividade e o volume das estruturas patologicamente inibidas (como o hipocampo nos pacientes depressivos).
    Mostram também que os dois tipos de terapia têm efeitos similares mas não iguais (Kay, 2004).
Infelizmente há mais hipóteses do que fatos a respeito de 'psicoterapia e neuroplasticidade'. Isso pode ser explicado. Primeiro, não há e não pode existir um modelo para a psicoterapia no mundo animal, uma vez que os animais não se comunicam como nós o fazemos; suas funções superiores do cérebro não estão desenvolvidas da mesma forma que nos humanos.
     Além disso, os métodos de imagem não mostram neuroplasticidade - mostram apenas o volume e a atividade das estruturas cerebrais, das quais podemos tirar conclusões indiretas. E a neurogênese pode ser objetivada apenas histologicamente, ou seja, post mortem. Por último, mas não menos importante, a psicoterapia não é somente 'gerenciamento de sintomas': ela inclui um espectro muito maior de mudanças relacionadas com o desenvolvimento pessoal.

Memória

   Jerald Kay e Deborah Liggan construíram um modelo de memória de psicoterapia baseado na plasticidade cerebral. A neuroplasticidade é vista como um pré-requisito para qualquer mudança durável de comportamento, cognição e emoções, e portanto para todos os efeitos psicoterápicos.
     Existem dois tipos principais de memória:

1. O sistema de memória explícita - recordação consciente de fatos e eventos:
  • estruturas cerebrais: estruturas do lobo temporal especialmente o hipocampo, estruturas límbicas-diencefálicas;
  • disponivel para evocação consciente.

2. Sistema de memória implícita - uma conservação heterogênea de capacidades; armazena a experiência emocional relacionada com o processo de vinculação precoce:
  • estruturas cerebrais: gânglios basais;
  • não disponível para evocação consciente (Liggan, et al., 1999)... ”.
   

Tanto na psicoterapia quanto na psiquiatria há mudanças no volume - tamanho - e nas atividades de áreas cerebrais descritos nos dois primeiros parágrafos. O cérebro não se transforma para não realizar novas funções, não exercer atividades que antes não possuía. Sabe-se que qualquer mudança em sua estrutura irá ter consequências no comportamento do indivíduo.

O terceiro parágrafo é bem elucidativo porque mesmo se tratando de duas modalidades de trabalhos distintas, efeitos similares acontecem: conversar com um psicoterapeuta e ingerir remédios são duas coisas bem diferentes. Sendo o cérebro o sistema mais complexo existente, chegar a resultados similares já é uma grande conquista, uma grande evidência, na minha opinião, que tanto o psiquiatra quanto o psicoterapeuta procuravam o mesmo fim.

Mesmo os dois últimos parágrafos, antes do subcapítulo “Memória”, citando problemas com respeito à neuroplasticidade e a psicoterapia, vemos depois a frase “A neuroplasticidade é vista como um pré-requisito para qualquer mudança durável de comportamento, cognição e emoções, e portanto para todos os efeitos psicoterápicos.”

No artigo “O efeito da psicoterapia no cérebro” vemos as seguintes considerações:

“ [...] Um estudo recente com pacientes portadores de depressão (Ritchey et al., 2011), sem o uso de medicação, apontou que a psicoterapia promove um aumento global na ativação da córtex pré-frontal ventromedial, e maior excitação na amígdala, núcleo caudado e hipocampo (uma das regiões cerebrais envolvidas na expressão das emoções).

Outra pesquisa realizada na Universidade da Califórnia mostrou, através de estudos de neuroimagem, uma redução da atividade metabólica no núcleo caudado, estrutura localizada no hemisfério cerebral direito, com papel importante no sistema de aprendizado e memória  em pacientes com Transtorno Obsessivo-Compulsivo, que passaram por psicoterapia no decorrer de 10 semanas.  

No caso de indivíduos com fobias específicas (fobia de animais, de sangue), os estudos de neuroimagem (Porto et al., 2009) mostraram uma diminuição da atividade em áreas límbicas e paralímbicas do cérebro (responsáveis pelo controle emocional do comportamento, memória). Os achados de todas essas pesquisas apontavam para uma correlação com a melhora dos sintomas dos pacientes e mudanças na atividade cerebral ”.

Vejam estes três últimos parágrafos de “O efeito da psicoterapia no cérebro”:  melhoras de diversos sintomas emocionais negativos através de conversas, sessões com um psicoterapeuta, as “bases” do método do profissional! Por isto fiz questão de grifar em negrito o final do artigo.

Imagine a cura de uma depressão, por exemplo, como acontece muito por aí. Não podemos de modo algum pensar que não houve modificações em estruturas cerebrais e na funcionalidade destas ou de outras… Uma pessoa limitada em muitos, senão em todos os sentidos de uma vida plena em sociabilidade, afetividade e de trabalho, tendo sida resgatada da forma que foi, voltando a ser feliz, é uma grande evidência daquilo que batizei como Neurorreligação!

Estímulos externos perpetuando mudanças estruturais e/ou funcionais em regiões cerebrais, refletindo no comportamento visível do paciente. Esta é a essência do termo Neurorreligação.


Bibliografia:

  1. Fleury, H. J. ; Hug, E. ; Khouri, G. S. Psicodrama e neurociência: contribuições para a mudança terapêutica. São Paulo: Grupo Editorial Summus, 2008. p. 24-25.
  2. O efeito da psicoterapia no cérebro. Maria Alice Fontes e Selma Boer. Disponível em: < http://www.plenamente.com.br/artigo/163/-efeito-psicoterapia-no-cerebro-selma-boer.php#.VtXlyI4XHs1 >. Acesso em: 02/03/2016.
Postar um comentário